Posts Tagged ‘venture capital’

Microcapitalismo empreendedor

Já faz algum tempo que mantenho contato com investidores e empreendedores brasileiros. Durante os últimos meses, trabalhando no GVcepe, tive a oportunidade de entender um pouco melhor as dificuldades pelas quais essas pessoas estão passando aqui no Brasil.

Escuto muito sobre “dificuldade para se conseguir dinheiro” de um lado e a “a falta de planos de negócio de qualidade” do outro. Não discordo que a “cultura de negócios” ainda é incipiente no nosso país, e que isso dificulta a elaboração de planos de negócios com sólida base financeira, mercadológica e estratégica, mas não acredito que falte dinheiro para ser investido em empresas nascentes com foco em inovação. O que acho que falta é um método de alocação de recursos realista e adaptado à nossa realidade.

Desconsiderando os planos de negócios que simplesmente não atingiram um patamar de qualidade aceitável do ponto de vista do investidor, e supondo que há sim capital disponível, o que tenho visto é uma “bateção” de cabeça que talvez seja desnecessária.

Na última semana aconteceu a final do 3º Desafio GV-INTEL. Esta competição de planos de negócios, da qual participei na sua segunda edição e que foi tema freqüente na fase 1 desse blog, traz estudantes (de graduação e pós-graduação) de todo o Brasil com um sonho de empreender. Conversando e ouvindo relatos percebi um ciclo:

1.    Investidores não gostam de planos pouco ambiciosos (um projeto que vise, a longo prazo, atacar somente um nicho no mercado nacional, por exemplo);

2.    Os empreendedores que sacam isso constroem planos agressivos;

3.    Estes projetos com visões muito ambiciosas, e conseqüentemente com necessidades de investimento muito altas, são vistos com desconfiança pelos investidores;

4.    Os empreendedores reformulam seus planos, diminuindo o escopo do projeto e o montante exigido.

Este ciclo vai se repetindo. Conheço empreendedores que estão lutando com esse dilema. Inicialmente apresentam seus projetos aos fundos mas recebem um “não” por se tratar de um plano que necessita de pouco investimento (“Não fazemos investimentos de R$100 mil reais… isso não dá retorno”). Reformulam o trabalho, visando objetivos mais grandiosos e, quando retornam, recebem outro não pois deixar R$2 milhões nas mãos de garotos é insanidade, certo?

Bom, ainda não tenho uma base teórica muito forte nem experiência profissional muito grande para afirmar com certeza que identifiquei um problema, mas acho que um fator que atrapalha o bom funcionamento dessa indústria no Brasil é a tentativa de importar para o país um modelo americano de capital empreendedor.

É praxe, em economia e administração, importar teorias de países desenvolvidos para países em desenvolvimento, com freqüentes desastres (esse assunto daria um outro post gigante). Conforme o tempo passa chega-se a conclusão de que é preciso adaptar estas teorias e práticas à realidade local. Não somos tão globalizados e parecidos (americanizados) quanto pensamos.

O que eu proponho é uma adaptação desse modelo de venture capital americano usando como guia o que foi feito (com grande sucesso) no sistema financeiro para classes menos favorecidas em países em desenvolvimento (com destaque para a Índia).

Lá, por falta dos fatores necessários (infra-estrutura, mercado consumidor, análises de crédito etc.) o mercado financeiro tradicional não funcionou. O que funcionou (e muito bem)? Microfinanças. Uma adaptação do que já existia para a realidade local e a necessidade dos agentes envolvidos.

Se é extremamente arriscado dar um empréstimo de US$1.000 para uma criadora de gado a melhor solução é negar esse capital a ela? Não. Dê empréstimos menores, de US$50, US$100 com pagamentos realizados em um curto espaço de tempo (ao invés de empréstimos com 1 ano, 2 anos de duração, empréstimos com uma, duas semanas de prazo).

Isso dá ao investidor maior segurança, uma vez que ele diminui seu risco, e por outro lado insere esse microempreendedor no sistema. Além de, obviamente, aumentar o número de investimentos que um único investidor pode realizar.

Essa exclusão do mercado financeiro não lembra o que acontece com muitos empreendedores no Brasil? Não acho que estejam completamente errados ao dizer que falta capital… O capital está lá, só não chega nas suas mãos.

Então que tal aplicar um modelo de microfinanças para o capital empreendedor (capital de risco, se preferirem) no Brasil?

•    Investimentos menores, (R$50mil a R$200 mil reais);

•    Ciclos de investimentos mais curtos, com metas mais claras (desenvolvimento de protótipos, lançamento de versões beta, conquista dos primeiros 1.000 clientes, etc.);

•    Múltiplas rodadas de investimentos (quantas empresas brasileiras você conhece que receberam mais de 3 rodadas de investimento de capital empreendedor?).

Alguns podem dizer que este é o papel dos investidores anjo, mas eu discordo pois aqui no Brasil ainda não temos anjos suficientes que dêem conta da demanda de capital. O que temos é um grande número de fundos de PE/VC que querem investir mas não encontram projetos que adéqüem às suas expectativas. O que precisa mudar, então, é o alinhamento destas expectativas.

Empreendedores precisam preparar projetos visando múltiplas rodadas de investimento (definir metas e objetivos concretos para o curto/médio prazo) e os investidores, por sua vez, precisam abraçar planos cujas necessidades de investimento são menores.

Talvez esta não seja a solução, confesso que não dediquei muito tempo para refinar a idéia, mas é um modelo que está martelando na minha cabeça e gostaria de discuti-lo com pessoas mais experientes e preparadas do que eu.

Intruders.tv

Caí neste site que tem alguns videocasts com empreendedores web do mundo inteiro (menos da América do Sul e África, lógico).

Assisti alguns bem interessantes… o problema é que os vídeos são pesados e demoram bastante para carregar.

AVISO: depois que abrirem a janela do vídeo não cliquem (nem mesmo sem querer) fora do player… caso contrário o vídeo será fechado e o download precisará ser refeito… I learned it the hard way… for too many times…

Levante a mão quem nunca colou…

Acabei de ler uma matéria da Business 2.0 falando sobre 3 irmãos que mudaram o cenário do empreendedorismo alemão, e de quebra fizeram fortuna, com uma estratégia bem simples: levaram para a Alemanha modelos de negócio americanos bem-sucedidos.

A matéria me chamou a atenção porque, volta e meia, encontro idéias interessantes lá fora e fico com vontade de trazê-las para o Brasil. Até algum tempo atrás eu tinha muita resistência quanto a isso… sempre com o desejo de fazer algo 100% inovador, algo que o mundo nunca tinha visto. Depois comecei a ficar mais humilde e passei a entender que só porque se trata de uma cópia não significa que é fácil tirá-la do papel. Existem sim grandes desafios para se adaptar um modelo de negócios estrangeiro. Afinal de contas, você precisa moldar o modelo de negócios para culturas, consumidores, condições de mercado e legislações completamente diferentes. Pra mim esses desafios são atraentes o suficiente para eu tentar realizar algo como o Zandu.

Em outras palavras, é como se você fosse colar em uma prova mas só enxergasse parte da resposta do seu coleguinha japonês do lado… aí você precisa dar aquela ‘maquiada’, usar a criatividade, usar o que você conseguiu ‘captar’ e o que você realmente sabe para formar aquele híbrido de 15 linhas que te salvará de uma DP certa… 😀 (Não que eu faça esse tipo de coisa…¬¬)

Outro ponto que levanto em defesa das ‘copycats’ é que muitas empresas que agora são consideradas inovadoras começaram com um modelo bem conhecido na sua época (ninguém fala que o FaceBook é uma cópia do MySpace… ou que este seja uma cópia do Friendster…). Além do mais, acredito que de um “copycat” podem surgir spinoffs muito interessantes (por exemplo a plataforma aberta de Apps do Facebook)…

Felizmente nada impede que alguém olhe para uma empresa e diga: “Eu posso fazer isso… só que melhor!”. Se os empreendedores parassem no obstáculo escrito “alguém já faz isso” nós não teríamos a Embraer (já existia a Neiva no Brasil) o Google (já existia o Yahoo!) ou a Skol (tá, essa foi só pra jogar confete).

Pra finalizar, para mim o exercício de estudar estas empresas e tentar ‘adaptar’ o seu modelo para o nosso país é divertido e me ajuda a enxergar outras possibilidades, a mesclar conceitos de cada uma delas e gerar novas idéias…

O que você quer fazer da vida?

Logo do IkwaVou abrir meu neoblog com um pouco de propaganda (não paga!).

O Ikwa, uma start-up de internet, está atualmente em fase beta. Essa é uma empresa com a ambiciosa proposta de ajudar as pessoas a responderem a uma das maiores perguntas que existem: “O que você quer fazer da vida?”

Eu que estou quase me formando sei bem como essa pergunta é forte e como é difícil tomar uma decisão. O Ikwa pretende ajudar as pessoas, de estudantes do ensino médio até pessoas que desejam mudar de carreira, com ferramentas como redes-sociais, testes de personalidade e conteúdo próprio produzido pela empresa.

Eu fui estagiário do Ikwa durante 6 meses mais ou menos. A experiência foi extremamente valiosa como um contato com a realidade de uma Start-up no Brasil, ainda mais uma de internet. Eu vi e participei do Ikwa desde a sua concepção, quando ainda estagiava no fundo de VC Monashees Capital+, até o seu nascimento e primeiros passos. Sem dúvida é um orgulho para mim ter feito parte desse projeto que, eu tenho certeza, mudará a vida de muitas pessoas.

Segue o teaser do Ikwa: